Na manhã da última quinta-feira, dia 16, ocorreu no plenário da Câmara Municipal de Arapiraca uma audiência pública com representantes da Mineração Vale Verde para discutir a situação das comunidades vizinhas e os acontecimentos recentes. Segundo relatos, essas comunidades estão sofrendo com as explosões para desmonte do minério e a poeira resultante. Os últimos acontecimentos, decorrentes das fortes chuvas que causaram um deslizamento parcial em uma pequena área na pilha de estéril no dia 7 de maio, também foram colocados em pauta durante a audiência. O gerente geral de operações, Breno, respondeu a todas as perguntas e indagações dos vereadores e demais presentes sobre o funcionamento da mina, a segurança da barragem de rejeitos e episódios de abalos sísmicos na região. Breno afirmou que a barragem é segura e foi projetada para aguentar as fortes chuvas no período de inverno. Quando questionado pelo vereador Adriano Targino sobre a relação entre os abalos sísmicos na região e a extração na mina, o representante relatou que o grupo de trabalho formado em conjunto com a UFRN ainda não concluiu o laudo que comprove essa relação.

Em seu relato no plenário, o morador vizinho à mineradora, Tancredo Barbosa, falou sobre a contradição entre as declarações dos representantes da empresa e a realidade da comunidade do entorno: “Após a chegada da mineradora, surgiram alguns transtornos. Nossas casas estão cheias de rachaduras, nossas crianças estão adoecendo com a poeira, há barulho de maquinário 24 horas, e muitos de nós queremos sair da comunidade, mas agora nossas terras estão desvalorizadas porque ninguém quer estar perto da mineradora. Situação complicada, onde esperamos uma solução na justiça.”

Após as considerações finais da empresa e dos vereadores, ficou acertada uma visita tanto à mineração para conhecer os trabalhos quanto às comunidades do entorno para ver a atual realidade.